Home » Publicações » 2013 » VIVO/TELEFÔNICA – CHEIA DE MALDADES PRA CIMA DO TRABALHADOR!

VIVO/TELEFÔNICA – CHEIA DE MALDADES PRA CIMA DO TRABALHADOR!

Desse jeito não tem chance de Acordo!

A Vivo/Telefônica avançou pouco na proposta para o Acordo Coletivo 2013/2014, na quinta reunião de negociação, realizada no último dia 7 de novembro/2013.

PROPOSTA SALARIAL INDECENTE PERMANECE NA MESA!

PROPOSTA ECONÔMICA – Reajuste Salarial – Índice de reajuste

– Reajuste de 6,07% para todos os empregados a partir de 1º de Setembro;

•Sem faixa

•Reajuste de 0,30% para os empregados com salário inferior à R$ 7.000,00 partir de 1º de Janeiro (totalizando 6,38% ou 105% do INPC).

NOS BENEFÍCIOS A HISTÓRIA NÃO MUDA. SÓ MALDADE!

PROPOSTA ECONÔMICA – Benefícios

– Reajuste de 6,07 %, a partir de 1 de Setembro, sobre os valores atualmente praticados dos seguintes benefícios:

– Auxílio Alimentação

– Auxilio Refeição Extraordinário

– Auxílio Creche

– Auxílio Babá

– Auxílio Excepcional

– Auxílio Funeral

– Quebra de Caixa

– Correção do auxílio alimentação dos empregados das lojas em 2,8% a partir de 1 de Julho (Exceto MG);.

– Manutenção do valor atual (R$ 0,85) do reembolso por quilometro rodado.

– Posicionamento sobre o Creche Especial;

– Posicionamento sobre o auxílio babá na prorrogação da Licença Maternidade e excluir cláusula que limita a contratação de parente de segundo grau como babá.

– Complementação do auxílio doença/acidente do trabalho – Alinhar as práticas entre os colaboradores administrativos e loja.

PROPOSTA – Outras cláusulas

Banco de Horas

– Ampliação do prazo de compensação das horas excedentes realizadas a partir de 1º de Setembro para 120 dias (4 meses).

– Prazo de 12 meses para compensação do saldo negativo, somente após este período este saldo será descontado em folha de pagamento.

– Social

– Incluir no ACT cláusula reconhecendo união estável do mesmo sexo.

– PPR

– PPR – Discussão do Programa no 1º Trimestre de 2014

PROPOSTA FOI PRONTAMENTE RECUSADA!

A proposta apresentada na reunião foi recusada, obviamente!

A Empresa continua ignorando diversos itens da Pauta de Reivindicações que foi apresentada pela Comissão Nacional de Negociações da Fenattel – da qual faz parte o Sinttel-SC.

Os dirigentes sindicais – na reunião anterior – tiveram a rodada interrompida por conta da maldade chamada PDV.

Até o momento, a Vivo/Telefônica não agendou outra reunião.

Entre os itens ignorados pela empresa estão:

– Aumento real decente

– Unificar e reajustar o valor dos benefícios em todos os estados para todos os trabalhadores.

– Plano odontológico: os funcionários oriundos da Telefônica não possuem o mesmo plano do que os oriundos da Vivo. Por que essa diferença de tratamento? Onde fica o “princípio da isonomia”?

– Bolsa de estudo: reajustar e colocar no Acordo Coletivo

– Diária de Viagem no valor de R$ 100,00

– VR em hora extra: um tíquete.

– Férias: estabilidade de 60 dias no retorno e empréstimo de um salário a ser pago em 10 vezes.

– Auxílio medicamento para doenças crônicas de R$ 300,00 mensais.

– 13ª cesta de benefício: uma carga do valor total do VA/VR em dezembro de 2013.

– KM rodado: R$ 0,90

– Piso salarial: R$ 1.000,00

TRABALHADORES DENUNCIAM MEGA-PRECARIZAÇÂO NA VIVO/TELEFONICA!

Banco de horas – no modelo atual consta que Horas Extras efetuadas em domingos e feriados serão acrescidas do adicional legal de 100% e pagas no mês subsequente. Nos demais dias da semana, as duas primeiras horas de cada dia vão para o Banco de Horas e as demais devem ser pagas.

Entretanto, trabalhadores de algumas áreas, denunciam que isso não está sendo cumprido. As horas estão sendo compensadas 1×1. Isso será denunciado pela Comissão/Fenattel e Sindicatos em todo o País nos órgãos competentes.

Saída às 16h às sextas-feiras – de acordo com a empresa, 90% dos trabalhadores gostaram. Mas não é bem assim: os que não gostaram, estão reclamando da obrigação em sair nesse horário. E como não tem condições de compensar o Banco de Horas negativo durante a semana, isso vai gerar desconto salarial. Se a empresa necessita que eles saiam mais cedo, ela que abone essas horas! É o mínimo do bom senso!

Interjornada – a Lei é clara e determina pausa de 11 horas. A Vivo/Telefônica convoca alguns trabalhadores para fazer hora extra no período da noite e da madrugada e obriga o trabalhador a cumprir oito horas no dia seguinte, o que é irregular. Ou pior, ainda: cria um Banco de Horas negativo, o que também é irregular e inaceitável!

Horário noturno – existem reclamações de que não está sendo pago de acordo com a Lei.

Periculosidade – trabalhadores em área de risco reclamam que não estão recebendo o Adicional Legal.

Sobreaviso – a empresa diminuiu o horário para pagar menos. Porém, os trabalhadores têm de ficar com o celular sempre ligado caso a Empresa necessite chamá-los fora do horário.

Esta notícia foi importada automaticamente de nosso antigo website. Caso você identifique algum problema com o conteúdo da mesma, use a área de comentários para nos informar e corrigiremos o problema rapidamente.

Convênios para associados: