Home » Publicações » 2015 » RM TELECOM – ENCERRADAS NEGOCIAÇÕES SEM SOLUÇÃO:

RM TELECOM – ENCERRADAS NEGOCIAÇÕES SEM SOLUÇÃO:

 Se não melhorar, é greve!

As negociações entre o Sinttel-SC foram encerradas ontem (10) com os representantes da RM Telecom no Estado/SC.

A Empresa não foi sensível às reivindicações feitas na Pauta de Reivindicações encaminhada pelo Sindicato e seus empregados.

Não houve nenhum avanço significativo que pudesse reverter o quadro negativo das negociações para o novo Acordo Coletivo de Trabalho de 2015.

Um dos itens mais importantes para os trabalhadores é o “Vale Alimentação”, que precisa ser melhorado sensivelmente e a RM se nega a melhorar e propõe somente o INPC (8,34%).

É necessário que haja um aumento no valor, com ganhos reais e uma redução da porcentagem da participação que o trabalhador vem pagando atualmente.

Também foi reivindicado pelo Sinttel-SC que o Vale Alimentação (Extras/Plantão) seja fornecido todo 1º dia útil de cada mês, junto com os demais dos dias úteis. Se isso não for feito os trabalhadores só iram realizar os plantões mediante a entrega dos tíquetes de plantão.

A Categoria se nega a realizar mais HE´s sem receber o valor dessas horas e nem o Vale Alimentação. A direção do Sindicato repudiou veementemente a situação criada e o insuportável descaso que vem ocorrendo em Santa Catarina por parte da RM Telecom.

O Plano de Saúde dos trabalhadores telefônicos teve um aumento de 31%. O Plano foi negociado entre a RM e a Empresa do Plano. O aumento abusivo acertado – no qual o Sinttel-SC não foi consultado, está sendo repassado, integralmente, à Categoria.


Sindicato já está tomando as providências

contra todos esses abusos!

O sindicato pelo intermédio da sua assessoria jurídica já esta tomando as medidas jurídicas contra este aumento abusivo que a empresa RM já repassou aos seus trabalhadores. A Categoria e o Sinttel-SC repudiam este absurdo!

Ainda, há problemas sérios a serem superados, como é o caso dos chamados agregamentos (valores da locação de carros, motos, utilitários e caminhão) ao qual não teve nenhum avanço significativo, sendo oferecido somente o INPC (8,34%).

Agora, o Sinttel-SC e os trabalhadores irão realizar as assembleias a partir do dia 22 (Edital ao lado). Até lá é possível que a Empresa possa se sensibilizar e evitar o pior, ou seja, uma paralisação, como aconteceu no ano passado, quando houve uma greve que durou 29 dias em todo o Estado/SC.

Desta forma, apenas com as mínimas evolução alcançadas, não é possível um ACT consensual.

O que foi apresentado pela Empresa, até agora, não contempla o que os trabalhadores e o Sinttel-SC esperavam, principalmente o que se refere ao novo modelo PILOTO de remuneração variável que na proposta da Empresa não contempla os diversos setores que atualmente recebem e sem qualquer aumento dos valores atuais e com novos indicadores e regras que na visão do Sindicato irá trazer prejuízos financeiros ao trabalhador.

O Secretário geral do Sinttel-SC, Rogério Soares, comenta que “mesmo tendo já assegurado o abono (PPR2014) no valor de R$400,00, o Sindicato e os trabalhadores não vão economizar esforços e mobilização para conquistar um Acordo justo, custe o que custar”, avisa o sindicalista.

Como não há interesse da RM em modificar a proposta para ACT, o Sinttel-SC já está preparando os editais legais, com indicativo de greve, com locais e horários para realização de assembleias a partir do dia 22 próximo.

Vamos encaminhar esta avaliação com os trabalhadores e deliberação da proposta apresentada pela Empresa, com indicativo de greve, caso não haja evolução nas próximas horas.

Espera-se que a RM tenha as iniciativas necessárias, viabilizando os avanços imprescindíveis para que se tenha um acordo sem traumas maiores. Caso isso não ocorra, lembramos aos gestores que a Categoria e o Sindicato saberão responder, na medida certa, à falta de sensibilidade da empresa nesta hora.

No ano passado, o único caminho foi exercer o direito de greve, com o qual os trabalhadores se mantiveram unidos durante 29 dias paralisados – e se for preciso para obtermos o bom senso patronal – voltaremos a cruzar os braços.

Aguardamos que o bom senso ainda possa ser o caminho para o desfecho desta negociação.

Estamos prontos para os desafios que virão às boas batalhas!

Esta notícia foi importada automaticamente de nosso antigo website. Caso você identifique algum problema com o conteúdo da mesma, use a área de comentários para nos informar e corrigiremos o problema rapidamente.

Convênios para associados: