Home » 2017 » Claro e sua atitude abusiva

Claro e sua atitude abusiva

 

Numa tentativa desesperada de pressionar os sindicatos dos diversos estados a assinarem Termos Aditivos de Acordos Coletivos, de PPR, de Escalas de Revezamento e Carta Compromisso, que tiram direitos dos trabalhadores e impõem tratamento diferenciado (discriminatório) para empregados do mesmo grupo, caso, por exemplo, da NET, a Claro condiciona sua proposta à assinatura de tais instrumentos pelos sindicatos.

O Sinttel-SC repudia essa postura antissindical da Claro e não aceita essa intervenção, posição que é compartilhada pelos demais sindicatos e pela Fenattel. Diante disso, Sindicatos e Federação exigem da Claro respeito aos trabalhadores e à sua organização sindical.

A Pauta de Reivindicações foi entregue em julho;
Claro agendou reunião com intervalo de um mês entre uma e outra;
A Claro NÃO quer negociar, mas, impor sua proposta de retrocessos e penalizar seus trabalhadores;
Com a evidente intenção de intimidar a categoria, a Claro transferiu e demitiu setores inteiros durante a negociação;
A Claro mente e debocha de seus empregados;
Quer barganhar com o direito dos trabalhadores, penalizando, reduzindo e tirando direitos de todos.
VERGONHA!

NEGOCIAÇÃO NÃO É IMPOSIÇÃO

Na reunião do dia 05, a Claro se lixou para as nossas reivindicações (INPC integral para todos, fim do gatilho na PPR, etc). A empresa manteve a mesma proposta (veja abaixo) rejeitada anteriormente, impondo como condição para avançar na negociação a assinatura pelos sindicatos de instrumentos com termos já rechaçados pelas entidades sindicais. Não aceitamos imposição.

PROPOSTA DA CLARO

Reajuste salarial – 1,65% exclui gerentes e diretores;
Vale refeição/alimentação – 1,65%;
Auxílio creche/babá – 1,65%;
Piso salarial – 0%;
SEM antecipacão de 50% 13° salário em janeiro;
SEM estabilidade no retorno das férias;
Redução da complementação do auxílio doença de 210 p/100 dias;
TODAS as horas extras realizadas no banco de horas
PPR/2017 – A elegibilidade caiu para 30 dias de trabalho após o período de experiência (90 dias). Ou seja, nada mudou e ainda fica mantido o gatilho.

O Sinttel-SC, junto com os demais sindicatos, repudia essa postura da empresa!

Filie-se ao seu Sindicato, juntos somos mais fortes!

Convênios para associados: