Home » Redução da Jornada de Trabalho

Redução da Jornada de Trabalho

O Sinttel-SC está integrado à Campanha Nacional do Movimento Sindical, que pretende reduzir a jornada de trabalho dos brasileiros, de 44 para 40 horas semanais, sem redução de salários.

reducao_jornada
 Por que reduzir a jornada de trabalho?

O dia 28 de maio foi marcado como o Dia Nacional de Lutas pelas 40 horas, com manifestações sindicais, paralisações, assembléias, atos e passeatas em todo o país. Convocados pelas Centrais Sindicais, os trabalhadores se manifestaram pela redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, sem redução de salários.

Mas, para que reduzir a jornada de trabalho? Quais as vantagens para o trabalhador? Para responder estas e outras perguntas, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) reuniu uma série argumentos que dão sustentação à Campanha pela Redução da Jornada de Trabalho sem Redução de Salário.

Seguem algumas delas:

1. Redução do desemprego

A redução da jornada de trabalho é um dos instrumentos para geração de novos postos de trabalho e a conseqüente redução das taxas de desemprego. Se os ocupados de hoje trabalharem um pouco menos, todos poderão trabalhar.

2. Jornada normal de trabalho muito extensa

A jornada normal de trabalho no Brasil é uma das maiores no mundo: 44 semanais desde 1988.

3. Jornada total de trabalho muito extensa

A jornada total de trabalho é a soma da jornada normal mais a hora extra. No Brasil, não há limite semanal, mensal ou anual para a execução de horas extras, o que torna o país um dos campeões de horas extras no mundo.

4. Ritmo intenso do trabalho

O tempo de trabalho total também está cada vez mais intenso em função de diversas inovações técnico-organizacionais implementadas pelas empresas (como a polivalência, o just in time, a concorrência entre os grupos de trabalho, as metas e a redução das pausas). Também em muito tem contribuído para essa intensificação a implementação do banco de horas (isso porque, nas horas de pico, os trabalhadores são chamados a trabalhar de forma intensa e nas horas de baixa demanda são dispensados do trabalho).

5. Aumento da flexibilização da jornada de trabalho

Desde o final dos anos 1990, verifica-se no Brasil um aumento da flexibilização do tempo de trabalho. Assim, às antigas formas de flexibilização do tempo – como a hora extra, o trabalho em turno, trabalho noturno, as férias coletivas -, somam-se novas – como a jornada em tempo parcial, o banco de horas e o trabalho aos domingos.

6. Aumento do número de doenças

Em função das jornadas extensas, intensas e imprevisíveis, os trabalhadores têm ficado cada vez mais doentes (estresse, depressão, hipertensão, distúrbios no sono e lesão por esforços repetitivos, por exemplo).

Além destes argumentos relacionados ao tempo de trabalho, há outros relacionados à economia brasileira, como por exemplo, o crescimento da economia e da produtividade do trabalho; e argumentos relacionados ao tempo de vida do trabalhador, como por exemplo, o pouco tempo que sobra ao trabalhador para o convívio familiar, o estudo, o lazer, o descanso e a luta coletiva, em função do grande tempo ocupado direta e indiretamente com o trabalho.

TEXTO EXTRAÍDO DO SITE “MEU SALÁRIO”

 

VEJA TAMBÉM:

– 30/04/2012 – 18h17 Plenário – Pronunciamentos – Atualizado em 02/05/2012 – 09h17
Vanessa Grazziotin defende redução da jornada de trabalho

Convênios para associados: